O papel da cultura organizacional

Construindo confiança

No primeiro artigo desta série de seis partes, a conexão entre a administração pessoal e a administração organizacional foi explorada. Esse artigo destacou o impacto da administração organizacional na administração pessoal. Os líderes-mordomos foram identificados como essenciais para gerar confiança na gestão organizacional. Os líderes-mordomos eficazes significam com suas atitudes e ações que mantêm sua posição de confiança em alta consideração. Os líderes-mordomos confiantes e confiáveis são mais capazes de inspirar as pessoas a servir fielmente e apoiar financeiramente um propósito missionário.

            Três esferas interligadas da vida organizacional ilustram os fatores-chave que permitem que a confiança prospere nas mentes daqueles que servem e apoiam a missão da organização da igreja. Este artigo se concentra na cultura organizacional e em seu papel na construção e sustentação da moeda da confiança.

Confiança

Comunicação Organizacional

Controlos Organizacionais

Cultura Organizacional

Cada organização tem sua cultura organizacional única, que é uma combinação de atitudes e origens individuais. No entanto, os líderes em cada organização são as pessoas que definem o tom dessa cultura no que diz respeito à integridade, valores éticos, administração e transparência. Se os líderes não derem o exemplo nessas áreas, não haverá bússola moral para orientar as decisões organizacionais, e o comportamento modelado pelos líderes será invariavelmente manifestado nas ações daqueles que eles lideram.[1]

A perspectiva anterior sobre a cultura organizacional é criticamente dependente do tom definido no topo pelos líderes da igreja. Ao dar esse tom, os líderes da igreja não só mostram o caminho em termos de integridade, valores éticos, administração e transparência, mas também inspiram aqueles que levam a compartilhar esses ideais. Quando esses ideais são mostrados e compartilhados, eles fornecem o quadro para determinar os comportamentos normativos dentro da organização da igreja.

 Interpretando os ideais

A integridade representa a solidez de caráter que permite que um indivíduo fique de pé diante do escrutínio aberto, sabendo que seus motivos são sinceros e seus métodos são santificados. Permitindo que a missão da organização da igreja tenha primazia tanto na palavra como na ação, o indivíduo deixa de lado os interesses pessoais e faz escolhas que não levantam suspeitas. A influência positiva exercida por pessoas de integridade impecável é necessária em todos os níveis da Igreja Adventista do Sétimo Dia. Em sua carta à Igreja de Corinto, Paulo descreveu sua própria vida de integridade ao tratar de sua missão apostólica: "Portanto, uma vez que é pela misericórdia de Deus que estamos envolvidos neste ministério, não perdemos o coração. Renunciamos às coisas vergonhosas que se escondem; recusamo-nos a praticar astúcia ou a falsificar a palavra de Deus; mas pela declaração aberta da verdade, entregamo-nos à consciência de todos aos olhos de Deus”[2].

Os valores éticos permitem à organização distinguir o certo do errado, mesmo em situações complexas. Para indivíduos e organizações cristãos, o roteiro mais decisivo é a vida de Jesus Cristo. Ele nos ensina a amar a Deus e um ao outro. Contidos nessas relações de amor verticais e horizontais estão os valores de respeito, confiança, honestidade, justiça, misericórdia e humildade, para citar apenas alguns. O profeta Miquéias enumerou os últimos três desses valores mencionados anteriormente como sendo requisitos reais do Senhor (Mq 6:8). Ao promover esses e outros valores, os líderes da Igreja cultivam nas organizações que lideram uma cultura que é consistente com a mente de Cristo (Fp 2:4, 5). "A ética inculcada pelo evangelho não reconhece nenhum padrão a não ser a perfeição da mente de Deus.”[3]

A administração tem como premissa o fato composto de que, embora o administrador não tenha propriedade pessoal, permanece a expectativa de responsabilidade pessoal pela posição ou propriedade confiada. Em outras palavras, o acesso que uma pessoa pode ter a uma posição ou propriedade exigirá responsabilidade e a força de caráter para aceitar de bom grado essa responsabilidade.

A transparência é definida pelo The Business Dictionary como a disponibilidade de todas as informações necessárias para colaboração, cooperação e tomada de decisões coletivas, que é acompanhada por uma ausência de agendas e condições ocultas. Essa definição afirma a perspectiva de uma abertura sem reservas em relação a todos os motivos e ações. Para a Igreja Adventista do Sétimo Dia como uma comunidade espiritual, essa deve realmente ser nossa posição padrão.[4] Precisamos viver de tal maneira que ninguém tropece por nossa causa e ninguém ache falha em nosso ministério. Em tudo o que fazemos, devemos mostrar que somos verdadeiros ministros de Deus.[5]

 Implementando os ideais

Uma recomendação para as organizações da igreja seria expandir os ideais de integridade, valores éticos, mordomia e transparência, desenvolvendo um código de conduta que delineie um conjunto de comportamentos esperados. Esse código de conduta serviria como um companheiro digno para a missão declarada de qualquer organização da igreja, porque o que está sendo feito seria complementado com uma orientação clara sobre como ele deve ser feito. Ao desenvolver um código de conduta, uma organização da igreja se beneficia por:

  1. Inscrever os padrões de comportamento esperados de todos para referência interna.
  2. Informar as novas pessoas que se juntam a ela sobre o ambiente de trabalho e as expectativas prevalecentes.
  3. Inspirar a confiança dos observadores no alinhamento entre a missão cristã da organização e os motivos de Cristo de Seu povo.

É importante notar que um código de conduta não pode ser apenas um exercício corporativo, mas deve ser ainda mais um compromisso genuíno de cumprir esse código em público e em particular. Pois é com esse compromisso que as pessoas se acham dignas daquilo para o qual foram chamadas (Ef 4: 1-4), todas as suas palavras e obras feitas em nome de seu Senhor e Salvador Jesus Cristo (Cl 3:17).

            Um exemplo de um código de conduta para as organizações da igreja pode ser visto em um documento desenvolvido pela Associação Geral dos Adventistas do Sétimo Dia (AG) para aplicação a si mesma como empregador, bem como a seus empregados.[6] O documento foi elaborado para declarar primeiro a missão da Igreja Adventista do Sétimo Dia, seguido por uma declaração de valores compartilhados que delineou ainda mais as responsabilidades éticas do empregador e dos empregados. Uma leitura atenta desse documento valeria a pena para os líderes da igreja em todos os níveis para facilitar a tarefa necessária de preparar algo semelhante para suas próprias esferas de responsabilidade. Esse exercício ajudará os líderes a se engajarem intencionalmente na criação e gestão de uma cultura organizacional apropriada. Edgar Schein, um ilustre autor de gestão, afirmou que essa pode ser a única coisa de real importância que os líderes fazem.[7]

            Antes de reservar um tempo para ler todo o documento preparado pela AG, os seguintes trechos da tabela para sua consideração mostram os valores compartilhados e os pontos focais das responsabilidades éticas da AG como empregador e de seus funcionários:

Valores Compartilhados

Associação Geral dos Adventistas do Sétimo Dia

·       Nós valorizamos a Bíblia como a referência primária para a direção e qualidades da vida.

·       Valorizamos a excelência em tudo o que fazemos.

·       Valorizamos a conduta ética e moral em todos os momentos e em todas as relações.

·       Valorizamos a criatividade e a inovação no cumprimento da nossa missão.

·       Valorizamos a honestidade, a integridade e a coragem como fundamento de todas as nossas ações.

·       Valorizamos a confiança depositada em nós pelos colegas e pelos membros da igreja mundial.

·       Valorizamos as pessoas como filhos de Deus e, portanto, irmãos e irmãs de uma família.

 

Responsabilidades éticas como empregador

Responsabilidades éticas dos empregados

o   Oportunidades iguais de emprego

o   Equidade, justiça e não discriminação

o   Conformidade com as leis do país

o   Lealdade e cumprimento das obrigações contratuais

o   Ambiente de segurança e felicidade

o   Respeito pela dignidade humana e pela individualidade

 

o   Vida consistente com a mensagem e a missão da igreja

o   Respeito pelos bens pertencentes à igreja

o   Respeito pelos colegas

o   Eficiência e atenção no trabalho

o   Integridade pessoal em questões financeiras

o   Evitar uma influência inadequada

o   Manter um ambiente ético no local de trabalho

 Olhando para o futuro

Até agora, nesta série de artigos, examinamos o papel desempenhado pelas atitudes e ações dos líderes mordomos na promoção da administração organizacional e exploramos o importante papel da cultura organizacional na construção da confiança. Para os próximos artigos, o papel complementar dos controles organizacionais na construção da confiança será abordado com referência particular a controle interno, tomada de decisões financeiras e supervisão.

 

 

Citações:

 

[1] Paul H. Douglas (2012), "Confidence Matters", Transparency and Accountability: a Global Commitment for Seventh-day Adventist Church Leaders, p. 17-29.

[2] 2 Coríntios 4:1, 2.

[3] Ellen G. White, That I May Know Him (Washington, D. C.: Review e Herald Pub. Assn., 1964), p. 131.

[4] G. T. Ng (2012)," Transparent Leadership, " Transparency and Accountability: A Global Commitment for Seventh-day Adventist Church Leaders, p. 85.

[5] 2 Coríntios 6: 3.

[6] https://www.adventist.org/articles/ethical-foundations-for-the-general-conference-and-its-employees/.

 

[7] Edgar H. Schein, Organizational Culture and Leadership, p. 2.

Paul H. Douglas