By Dennis Carlson

Os pais cristãos, adventistas do sétimo dia, buscam transmitir sua fé em Deus e os valores da vida aos filhos. Tudo o que possuímos na terra é temporário e, por fim, irá desaparecer; por outro lado, nossa fé e valores criam caráter sólido em nossos filhos, o qual é eterno.

A revista Forbesdá apoio a esse foco paterno de transmissão de “valores e lições de vida” com fatos de uma pesquisa.[1]

 

“Quando perguntados: ‘O que é mais importante transmitir à próxima geração?’ a resposta nº 1 dada por 74% dos respondentes foi: ‘Valores e lições de vida’” A resposta: “‘bens financeiros ou imóveis’ veio em último lugar. No intervalo, houve: ‘instruções e desejos a serem cumpridos’ e ‘posses pessoais de valor emocional’”.

 

Chris Heilmann, chefe executivo fiduciário do U.S. Trust, apoia a transmissão de valores como elemento-chave de nosso legado: “Atuei nesse setor por 41 anos, trabalhando com famílias; e, da minha experiência, se pessoas saudáveis são confrontadas com a escolha de poder dar seu dinheiro ou seus valores, mas não ambos, elas desejam dar seus valores”.[2]Transmitir nossa fé e nossos valores é o ativo mais importante que podemos deixar para nossos filhos e netos.

 

Mudança da Tradição para a Forma de Deus

Ellen White, a mensageira de Deus, escreveu estas palavras sobre nosso legado material: “Deveis lembrar-vos sempre de que o atual sistema egoísta de dispor dos bens não é conforme o plano de Deus, mas simplesmente invenção humana. Os cristãos devem ser reformadores […]”.[3]

 

Como podemos compreender corretamente essas palavras? Ellen White está destacando que a forma normalmente aceita de planejamento não tem origem divina. O que há na forma tradicional que não está alinhada quanto a como o cristão adventista do sétimo dia deveria “dispor dos bens”? Estaria ela sugerindo uma alternativa?

 

“Deus deseja que Seus seguidores disponham pessoalmente de seus bens [propriedades], enquanto isto lhes seja possível. Dirá alguém: ‘Temos porventura de renunciar a tudo que consideramos nossa propriedade?’ Pode isto não nos ser exigido ainda, mas devemos estar prontos a fazê-lo por amor de Cristo. Devemos reconhecer que nossas propriedades são totalmente Suas, e usá-las liberalmente quando o progresso da obra o exigir”[4]

 

Lutei com essas declarações, pensando como compreender o que Deus está tentando transmitir através de Ellen White. Porém, tenho de reconhecer que suas palavras ecoam o que o apóstolo Paulo escreveu: “Quanto a mim, minha vida já foi derramada como oferta para Deus. O tempo de minha morte se aproxima. Lutei o bom combate, terminei a corrida e permaneci fiel” (2Tm 4:6, 7, NVT). Os adventistas do sétimo dia deveriam ser reformadores com respeito às orientações em seus planos de espólio.

 

Recentemente, li um livro escrito por David Green, CEO e fundador da cadeia varejista Hobby Lobby que me elucidou a respeito da implicação e aplicação de fazer as coisas da forma de Deus. O título me chamou a atenção: Dê Tudo de Uma Vez; e Receba Tudo de Volta,[5]foi ainda mais intrigante.

 

Um Exemplo Vivo

As lojas Hobby Lobby são uma cadeia nacional de artigos de artes e ofício localizada nos Estados Unidos. David e sua esposa, Barbara, iniciaram a empresa em 1970, com um empréstimo de US$ 600. Hoje, há mais de 800 lojas em 47 estados, com mais de 32 mil empregados, e um valor líquido de US$ 7.1 bilhões. Hobby Lobby é agora um dos maiores varejistas de artes e ofício de propriedade particular nos Estados Unidos.

 

Os membros da família Green são cristãos comprometidos que buscam honrar a Deus em tudo o que fazem em sua vida pessoal e em seus negócios. Sua dedicação a Deus levou-os à Suprema Corte dos EUA em um caso relacionado à sua recusa de distribuir medicação abortiva aos empregados.[6]A família escolheu arriscar perder a empresa a comprometer sua fé e princípios cristãos. Essa decisão foi tomada unanimemente por todos os membros da família: pais, filhos e netos foram incluídos.

 

A família foi bem sucedida na implementação das instruções bíblicas: “O homem bom deixa sua herança para os filhos de seus filhos, mas toda a riqueza dos ímpios é acumulada para ser distribuída aos justos” (Pv 13:22, KJA). David e Barbara Green receberam sua fé e valores dos pais. Eles tiveram sucesso ao transmiti-los aos filhos que, por sua vez, os transmitiram à próxima geração. David Green chama a essas várias gerações de G-1, G-2 e G-3 e agora está nascendo a geração G-4.

 

No início de sua vida, os Greens criaram um plano de espólio convencional, preparado por um advogado, de acordo com as tradições legais normais. Depois de um tempo, David Green se sentiu mal com a forma como esse plano funcionaria. Ele e a Barbara (G-1) apresentaram essa questão em oração, buscando a sabedoria de Deus quanto a como deveriam criar um plano que desse toda a glória e honra a Deus. Então, quando os filhos (G-2) cresceram e começaram a assumir posições-chave nos negócios, eles reuniram a família (formado por G-1, G-2 e G-3) para discutir seu plano de espólio. O resultado foi que a família, conjunta e unanimemente, decidiu fazer exatamente o que o título do livro diz: distribuir tudo do empreendimento. Eles criaram um fundo caritativo que, legalmente, seria o dono de todos os ativos.

 

Todos os membros da família podem trabalhar nessa empresa se estiverem dispostos a serem mordomos fiéis e a trabalharem arduamente para contribuir para seu sucesso. Até mesmo David Green que iniciou a empresa e agora somente recebe salário visto que não mais é dono dela. Os membros da família controlam o fundo caritativo. No futuro, se parecer melhor que a empresa seja vendida, a família não receberá nada, pois todos os rendimentos serão usados para apoiar vários ministérios caritativos que têm por missão focar na Escritura e apresentar Jesus Cristo. Essa é uma aplicação inspiradora do compromisso total dos crentes: “Os servos de Deus têm de usar todos os recursos para aumentar o Seu reino”[7]

Então, você pode dizer que eles deram tudo... e têm recebido de volta com abundância. Isso explica sua vida excepcionalmente generosa. A Hobby Lobby dá 50% de seus lucros,  a cada ano, para um lista de entidades caritativas cristãs. O interessante é que essa ideia surgiu com os filhos de David e Barbara (G-2) que desafiaram os pais a darem a Deus. Eles foram os principais doadores por trás da criação do Museu da Bíblia, em Washington, D.C.[8]

 

Deus irá guiá-lo assim como guiou a família Green, se você diligentemente buscar Sua sabedoria quanto aos planos que você faz para sua família.

 

 

 

 

[1]Forbesmagazine 31 de maio de2013.

??????

[3]Conselhos Sobre Mordomia, Capítulo 14, p. 195.

[4]Idem, p. 193.

[5]Green, David; High, Bill; Give It All Away . . . and Getting It All Back Again (Grand Rapids, Mich.: Zondervan–HarperCollins), 2017. ISBN 978-0-310-34794.

[6]https://www.youtube.com/watch?v=k4pL32qQ_3k

[7]White, E. G. Testemunhos Para a Igreja, p. v. 7, p. 14.

[8]https://www.youtube.com/watch?v=rhKyIDuePjs

 

 

 

 

Citações

 

Transmitir nossa fé e nossos valores é o ativo mais importante que podemos deixar para nossos filhos e netos.

 

Os adventistas do sétimo dia deveriam ser reformadores com respeito às orientações em seus planos de espólio.

 

 

Dennis Carlson