Aniel Barbe

 

Liberalidade significa doar coisas aos outros gratuitamente e abundantemente. Se você doa uma mesada para seu filho, uma boa gorjeta para um carregador ou um donativo para um pedinte, provavelmente você seria considerado como uma pessoa de grande liberalidade. Para a finalidade deste artigo, nós vemos liberalidade como a aplicação de uma plano sistemático de benevolência composto de três elementos: Dizimar, ofertar proporcionalmente e doações (Conselhos sobre Mordomia, pág.80 e 81). Este artigo discute como e por que doar religiosamente e então propõe um modelo para ajudar a igreja locar crescer em liberalidade.

 

FATOS AND FATORES QUE INFLUENCAM A DOAÇÃO RELIGIOSA

Vários fatores têm impacto sobre a doação religiosa. No final de uma palestra sobre Mordomia, um pastor certa vez me perguntou: Que coisa eu deveria fazer para minha congregação se tornar generosa? Infelizmente, ou felizmente, não há uma única resposta. No entanto, uma ideia chave emerge dos estudos sobre o assunto: Doar Religioso é um comportamento racional. Ele pode ser explicado, afetado e mudado. Smith, Emerson e Snell (2008) revelam alguns fatos interessantes sobre doar religioso. Parece que 20% dos cristãos Norte Americanos nada dão para a igreja e aqueles que dão, dão muito pouco.  A maioria do dinheiro da igreja vem de uma minoria de seus membros. 20% da membresia dá 75% dos recursos financeiros. Paradoxalmente, aqueles com maiores entradas e mais elevadas dão menos em porcentagem do que aqueles com menores entradas.  Doar religioso é inversamente proporcional ao crescimento nas entradas. Quando as entradas aumentam, o doar religioso declina. Há uma tendência crescente entre os Cristãos de doar exclusivamente à sua própria comunidade de fé local.

Temos que admitir que há poucos estudos feitos na Igreja Adventista sobre doação religiosa. Parece que nosso principal interesse é mais na contabilidade, mas menos em descobrir o perfil de doadores e fatores que influenciam a doação. Um estudo adventista sobre o assunto, realizado por Mclver (2016), envolvendo igrejas em cinco continentes, revela que o valor absoluto em dólares devolvido como dízimos aumentou, mas a porcentagem de renda fornecida diminuiu (pp. 22-23) ao longo dos últimos 40 anos. Essa situação, juntamente com o declínio geral nas ofertas de missões e a crise econômica iminente, representam uma ameaça à missão, especialmente ao nosso compromisso com uma missão mundial.

Determinantes da doação religiosa são muitos; seria imprudente concentrar-se em um único fator. Indivíduos que têm uma fé forte, com uma teologia conservadora (Iannaccone, 1994; Hoge et al., 1996; Olson & Perl, 2001) e intenso envolvimento e frequência na igreja (Hoge & Fenggang, 1994) têm mais probabilidade de doar em nível mais elevado. O bom gerenciamento das finanças pessoais, composto por promessas de planejamento, impacta as doações religiosas (Smith et al., 2008). Outro determinante positivo é a ênfase adequada da igreja local no valor das doações religiosas (Vaidyanathan & Snell, 2011). Finalmente, um compromisso com uma gestão financeira sábia e transparente por parte da igreja ou organização religiosa também exerce forte influência sobre as doações (Peifer, 2010).

 

O MODELO DE LIBERALIDADE CRESCENTE

Nossa abordagem para aumentar o nível de liberalidade repousa em algumas premissas chaves: a igreja é um organismo vivo; liberalidade não acontece no vácuo; os seres humanos podem fazer parceria com Deus para criar as condições para o surgimento da fidelidade-liberalidade e a igreja local é o lugar para aumentar a liberalidade. O modelo gira em torno de três componentes principais: capacitar membros, canalizar a mensagem de mordomia e criar uma cultura da igreja promissora.

 

Capacitar membros

O objetivo aqui é ajudar os membros a crescer em todos os aspectos de suas vidas (3 João 1: 2). E  o foco está no fortalecimento espiritual e financeiro. O empoderamento espiritual implica que os membros são encorajados a estabelecer e manter uma conexão diária com Deus. É baseado no princípio que contemplação cria transformação (2 Coríntios 3: 18). As interações com o maior de todos os doadores é o meio mais seguro de transformar indivíduos auto orientados.

Enquanto estudava as práticas de dizimar entre os Adventistas do Sétimo Dia, Mclver (2016) observou que as pessoas que oram regularmente, estudam a bíblia diariamente, estudam a Lição da Escola Sabatina e frequentam os cultos da Igreja são mais propensos a serem fieis dizimistas.

Na mesma perspectiva, a certeza de que os ensinamentos particulares da própria fé são verdadeiros (Olson & Perl, 2005, p.126), um forte senso de missão (Mundey et al., 2011) e a prática de doar como disciplina espiritual (Smith et al., 2008) são fortes indicadores de liberalidade. A associação entre espiritualidade e liberalidade é inegável. Algumas iniciativas locais podem contribuir para o fortalecimento espiritual dos membros:

  • Ajuda os membros a seguir um plano de devoção diária. A iniciativa de “Crede em seus Profetas” poderia ser uma interessante opção.
  • Explora meios de mais membros estudarem sua Lição da Escola Sabatina e frequentar a Escola Sabatina.
  • Torna a reunião semanal de oração atraente e acessível aos membros.
  • Funciona para aumentar o número de membros que estão lendo os livros do Espírito de Profecia.

O empoderamento financeiro é o processo durante o qual o membro desenvolve seu potencial para gerar e gerenciar recursos financeiros pessoais. Ellen White fala sobre a situação alarmante prevalecente na área de alfabetização financeira: “Muitos carecem de administração e economia sábias. Eles não pesam o assunto bem e se movem com cautela ... ”(TC. Vol. 1 p. 224). Como resultado dessa situação, “quando há um chamado para o avanço do trabalho nas missões domésticas e estrangeiras, eles nada têm para dar, ou tem até excedido sua conta” (R. & H., 19 de dezembro de 1893). Muitos crentes sinceros fracassam em participar na missão de Deus porque suas finanças estão desorganizadas.

Existem algumas áreas de capacitação financeira que precisam de atenção especial. Antes de tudo, os membros devem desenvolver a mentalidade certa sobre recursos financeiros: Deus é o Provedor e Ele dá o poder de gerar riqueza. Portanto, nossos bolsos não estão vazios. Em segundo lugar, todos precisamos desenvolver hábitos de gastos inteligentes, resistindo ao apelo de comerciais que nos incentivam a gastar apelando aos nossos sentidos. Jesus instruiu Seus seguidores a “sentar e calcular o custo” (Luc. 14:28). Em terceiro lugar, os crentes precisam entender as implicações do endividamento. Como pode evitar usar o dinheiro dos outros e se já está endividado, como conseguir sair? Em quarto lugar, a importância de economizar deveria ser  esclarecida, e os membros devem ser ensinados sobre as melhores práticas. Quinto, ensinar e desafiar os membros a experimentar o princípio: “Tudo o que Ele recebe, Ele multiplica” pela prática do dízimo, ofertas e doações. Último mas altamente correlacionado com doações religiosas, explicar  e incentivar os membros a se comprometer com uma oferta baseada em porcentagem.

PROMOVENDO A MENSAGEM DE MORDOMIA

O próximo componente do modelo garante que a mensagem de mordomia chegue a todos os segmentos dos membros da igreja. Novos membros e crianças aprendem sobre liberalidade tanto através de exemplos como pelos ensinamentos intencionais (Rom. 10:14; Sl. 78: 5,6). A mordomia é aprendida e ensinada.

No entanto, evidências revelam a existência de uma flagrante ignorância normativa em relação às doações religiosas. A liberalidade não permanece como uma expressão primária do discipulado na mente de muitos cristãos. Muitos não têm consciência sobre o ensino de 10% como dízimo e sobre doações financeiras proporcionais e de sacrifício como a norma da mordomia cristã. Quais poderiam ser as razões para tal ignorância? Uma causa pode ser a dicotomia que frequentemente existe entre evangelismo e mordomia.

Quando apresentamos a mensagem do advento às pessoas, nós hesitamos em instruí-las em assuntos de doação. Ellen White adverte sobre esta omissão: “Alguns recusam aceitar o sistema do dízimo; afastam-se, e não se unem mais com os que creem na verdade e a amam. Quando outros pontos lhes são expostos, dizem: “Não nos foi ensinado assim”, e hesitam em avançar” (Conselhos sobre Mordomia, pág.105).

Outro fator relacionado à ignorância normativa é o fenômeno de “mordomos relutantes” de finanças da igreja. Conway (2002) descreve o clero como sendo desconfortável para falar sobre finanças. Eles não querem dar a impressão de que estão rogando pela sua própria renda. Tem acontecido comigo, em alguns poucos casos, de receber um convite para fazer uma palestra ou seminário sobre mordomia com a recomendação da liderança de não falar sobre finanças. Como resultado, a mordomia financeira se torna um dos assuntos menos abordados no contexto da igreja. Uma maneira eficaz de compartilhar a mensagem de mordomia é adotar uma estratégia disfarçada. Consiste em incluir a mensagem de mordomia em programas e iniciativas já existentes na igreja. Essa abordagem geralmente é menos onerosa e não pesa na programação da igreja. Algumas iniciativas “disfarçadas” poderiam efetivamente levar a mensagem de mordomia aos vários segmentos da igreja:

  • Revitalizar a história de missão e o chamado para dizimar e ofertar durante o serviço do sábado.
  • Ajudar aventureiros e desbravadores a ganhar os prêmios de Mordomo Sábio e Honra à Mordomia respectivamente.
  • Instruir os membros em potencial sobre Mordomia durante campanhas evangelísticas e estudos bíblicos.Nutrir membros sobre Mordomia através de programas sistemáticos de visitação aos lares.
  • Pregar um sermão relacionado à mordomia uma vez a cada trimestre na igreja local.

Criando uma cultura de igreja Promissora

Esse componente do modelo foca nas características do destinatário da doação, a igreja. Eckel & Grossman (1996) falam sobre o “merecimento” do destinatário: É o contexto da igreja incentivar a liberalidade de seus membros? Peifer (2010, p.1583) observa que as pessoas que consideram

que “o orçamento é apropriado”, que “confiam na liderança” e são “entusiastas com os programas” geralmente aumentam sua taxa de doação em 8 a 11 por cento. Nove por cento dos não doadores mencionados confiam na gestão financeira como o motivo mais importante para não dar (Smith e Emerson, 2008). Parece claramente que questões relacionadas a gastos congregacionais, despesas, desembolsos e conflitos financeiros influenciam a doação dos membros e a confiança é o maior fator contributivo.

As Escrituras fornecem algumas dicas sobre como o Apóstolo Paulo investiu na criação da cultura correta da igreja para incentivar a doação. Em 1 Coríntios 16: 1-4, Paulo não apenas incentivou a doação planejada e proporcional, mas trabalhou com a responsabilidade da igreja como destinatário da doação. Todas as condições foram postas em prática para que os doadores tivessem total confiança. Algumas ações podem melhorar o merecimento da igreja local:

  • Ter um eficiente sistema de controle interno conhecido dos membros.
  • Avaliar e melhorar a qualidade dos programas e Serviços.
  • Priorizar o investimento em missão.
  • Um crescimento da liberalidade é o resultado de como fazemos a igreja. Ensinar a teologia dos dízimos e ofertas é importante, mas tem um impacto limitado, a menos que capacitemos o crente e aumentemos o merecimento da igreja.

 

Pastor Aniel Barbe é o diretor Associado do Ministério de Mordomia e editor do “Mordomo Dinâmico” na Conferência Geral dos Adventistas do Sétimo Dia, em Silver Spring, Maryland.

 

References

  1. Conway, D. (2002). O mordomo relutante revisto: Preparando pastores para deveres administrativos e financeiros: um relatório e comentários sobre um estudo conduzido pela Escola de Teologia Saint Meinrad com financiamento da Lilly Doação Inc. Saint Meinrad, Ind: Escola de Teologia Saint Meinrad.
  2. Eckel, C., & Grossman, P. (1996). Altruísmo em jogos de ditadores anônimos. Games and Economic Behavior, 16 (2), 181-191. Obtido em https: // EconPapers.repec.org/RePEc:eee:gamebe:v:16:y:1996:i:2:p:181-191.
  3. Hoge, D.R. & Fenggang, Y. (1994). Determinantes da doação religiosa em Denominações americanas: Dados de duas pesquisas nacionais. Revisão De Pesquisas Religiosas, 36 (2), 123- 148. doi: 10.2307 / 3511404. Retirado  de https://www.jstor.org/stable/3511404
  4. Hoge, D.R., Zech, C., McNamara, P., e Donahue, M.J. (1996) Dinheiro é Importante. Louisville, KY: Westminster John Knox.
  5. Iannaccone, L. (1994). Por que igrejas estritas são fortes. Jornal Americano de Sociologia 99 (5), 1180–1211. Obtido em https://www.jstor.org/ stable / 2781147
  6. McIver, R., K. (2016). Práticas do dízimo entre os adventistas do sétimo dia. (2ª Ed.). Cooranbong, Austrália: Avondale Academic Press.
  7. Mundey, P., King, D.P. e Fulton, B.R. (2019). As práticas econômicas das Congregações dos EUA : Uma revisão das pesquisas atuais e das oportunidades futuras. Bússola Social 66 (3), 400 - 417. DOI: 10.1177 / 0037768619852230. Retirado de journals.sagepub.com/home/scp
  8. Olson, D. V. A. e Perl, P. (2005). Passeio livre e barato em igrejas estritas e conservadoras . Jornal para o Estudo Científico da Religião 44 (2), 123-142.
  9. Peifer, J.L. (2010). A economia e a sociologia das doações religiosas: Racionalidade instrumental ou vínculo comunitário? Forças Sociais, 88 (4), 1569– 1594. Retirado de https://doi.org/10.1353/sof.2010.0004.
  10. Smith, C., Emerson, M. O., & Snell, P. (2008). Passando o prato. Nova Iorque, NY: Imprensa da Universidade de Oxford.
  11. White, E. G. H. (1940). Conselhos sobre mordomia. Washington, DC: Revisão, e Herald Pub. Associação.
  12. White, E. G. H. (1948). Testemunhos para a Igreja, Vol. Mountain View, Califórnia: Pacific Press Pub. Associação.

 

 

Aniel Barbe