By MARCOS FAIOCK BOMFIM

Chegando de viagem antes do planejado, tive o raroprivilégio de passar um sábado com minha esposa em nossa igreja local em Maryland. Depois do culto, minha esposa e eu fomos convidados a conversar com Claudia e Elda, duas visitantes adventistas vindas de uma igreja hispânica.

“Você é o pastor da igreja?”, perguntou Elda. Ao descobrirque eu era pastor, mas não daquela igreja específica, ela foidireta: “Então, o que você está fazendo aqui? Por que você não está em sua igreja, cuidando de suas ovelhas? Um pastor que não tem nenhuma ovelha para cuidar, nenhuma alma para converter, está perdendo seu ministério!”, disse ela sorrindo para aliviar o peso de suas palavras. Quando expliquei que trabalho em um dos escritórios da Igreja e que viajo muito, seus olhos não esconderam sua frustração com esse tipo de ministério.

“É o Ministério de Mordomia”, acrescentei, esperando evitar a próxima pergunta, que geralmente é o que é a Mordomia. Mas, surpreendentemente, Claudia me testou com outra pergunta no lugar:“Quais são, então, os cinco princípios da mordomia?”

Obviamente, esses “cinco princípios”, sejam eles quais forem, eram parte muito importante de sua vida e as senhoras tinham certeza deles. Eu senti como se elasestivessem tentando usar esses princípios para identificare expor qualquer suposto diretor de Mordomia impostor em aparecesse em seu caminho. Como meu ministério estava sendo testado, fui muito cauteloso, escolhendo cuidadosamente cada palavra, já que não mais limitamos o conceito de Mordomia a apenas os “5 T’s” .

Mas em um instante, minha mente voltou ao passado, tentando entender que processo educacional foi capaz de criar uma convicção tão profunda nelas. O que as levou do ponto de conhecimento zero sobre Mordomia para aquela crença imutável? Depois, descobri que elas receberam sua educação anos atrás em seu país (na Divisão Interamericana), em um seminário realizado durante várias semanas em sua igreja local, e que esse seminário foi baseado em uma versão abreviada do livro Conselhos Sobre Mordomia, de Ellen G.White, acompanhado de um Guia de Estudo.

Fiquei pensando sobre quem seria esse diretor visionário e temente a Deus naquela Associação, União ou Divisão, que concebeu e promoveu esse plano tão bem, alcançando muitas igrejas no campo e até mesmo o pastor dessas senhoras.
Esse diretor nunca imaginou quão eficaz era seu plano, capazde fazer dessas duas irmãs educadoras e líderes de suas igrejas, que podiam se defender sozinhas de sua crença!

O que ficou claro para mimdepois dessa experiência é que haverá sempre uma colheita espiritual certa para aqueles que semeiam a semente de Deus, mesmo que alguns dos resultados sejam conhecidos apenas no Céu. Outro ponto é que os planos educacionais maiseficazes são aqueles planejadospara atingir todos os membrosda igreja. E finalmente, a grandeimportância dos escritos inspirados – a Bíblia e o Espírito de Profecia – no processo de educação da Mordomia. Somente poderemos prosperar neste ministério de acordo com a medida de Deus, se Suas mensagens reveladas, especialmente aquelas contidas no livro “Conselhos Sobre Mordomia”, forem estudadas, acreditadas, ensinadas e cuidadosamente seguidas.

Por outro lado, é por rejeitá-las ou desvalorizá-las como ultrapassadas, sem importância ou não normativas, enquantome identifico como um educador de Mordomia, que euposso ser justamente considerado como um impostor.“... Crede no Senhor vosso Deus, e estareis seguros; crede nos seus profetas, e prosperareis” (2Cr 20:20).

 

MARCOS FAIOCK BOMFIM

MARCOS FAIOCK BOMFIM

Pastor Marcos F. Bomfim é Diretor do Ministério de Mordomia da Associação Geral dos Adventistas do Sétimo Dia, Silver Spring, Maryland.