Introdução

A liderança é vital para qualquer organização, especialmente para a igreja. A igreja requer liderança que seja confiável, honesta e que tenha integridade. Nós, como igreja, precisamos encorajar, promover e aproveitar tal liderança em um mundo cheio de corrupção, desonestidade e deslealdade.

Incompreensão da Liderança

Muitos líderes da igreja entendem mal a importância da liderança e seu papel na igreja e na sociedade. Marcos 10:35-37 apresenta o tipo de mentalidade que os líderes têm no mundo de hoje. No versículo 37, os discípulos de Jesus, Tiago e João, pedem que Jesus os deixe sentar à Sua direita e à Sua esquerda em Seu reino esperado. Sua compreensão do chamado de Jesus ao ministério era limitada. Eles entendiam que o ministério era sobre a glória que receberiam, em vez de servir à humanidade.

Jesus corrige a incompreensão dos discípulos sobre liderança, contrastando Seu próprio estilo de liderança com o dos gentios. Ele descreve o estilo de liderança dos gentios em Marcos 10:42 como dominando o povo e exercendo excessiva autoridade sobre eles. Em contraste, Ele exorta Seus discípulos a não serem como os gentios, mas "a serem servos, a servirem e desistirem de suas próprias vidas por causa dos outros”.

O chamado à liderança não é um chamado à glória, mas um chamado ao serviço para Deus e para a humanidade. Os especialistas em liderança cristã Hendry e Richard Blackaby dizem: "Liderança é levar as pessoas de onde estão para onde Deus quer que elas estejam. A principal preocupação de Deus com as pessoas não é ter resultados, mas relacionamento”.[1] Moisés foi chamado para a liderança, e seu mandato era libertar os filhos de Israel do Faraó no Egito. Êxodo 3:10 diz: "[...] eu te enviarei a Faraó, para que tires o meu povo, os filhos de Israel, do Egito”. Nossa responsabilidade de liderança é libertar, desenvolver e transformar a vida das pessoas.

Liderança Servidora

Jesus demonstra liderança servidora em João 13. Em O Desejado de Todas as Nações, Ellen White descreve a cena na sala superior como tensa: "Havia ‘entre eles contenda, sobre qual deles parecia ser o maior’”[2]. Nenhum dos discípulos estava disposto a servir um ao outro nem lavar os pés um do outro. João 13:4 (NVI) diz: "assim, levantou-se da mesa, tirou sua capa e colocou uma toalha em volta da cintura. Depois disso, derramou água numa bacia e começou a lavar os pés dos seus discípulos, enxugando-os com a toalha que estava em sua cintura”.

               Servo em grego é υπηρέτης. Quando traduzido para o inglês, significa "servo ou escravo". No contexto de Marcos 10:43, esse termo significa "aquele que se entrega à vontade de outro, aquele que se dedica a outro sem levar em conta seus próprios interesses”[3]. Na história de Jesus e Seus discípulos no cenáculo, Jesus age como servo em relação aos Seus discípulos. Ele Se desconsidera e Se dedica aos Seus discípulos. Ele assume a forma de servo para alcançar o coração dos discípulos.               A igreja está procurando líderes que colocarão os interesses e vidas dos outros antes dos seus. Lucas 9:23 diz: ""Se alguém quer vir após mim, a si mesmo se negue, tome a sua cruz e siga-me". A verdadeira liderança concentra-se no serviço aos outros. Os líderes devem se preocupar com o bem-estar dos outros e se esforçar para atender às suas necessidades. Os líderes devem se preocupar em ajudar as pessoas ao seu redor a crescerem e se tornarem as melhores versões de si mesmas. Em O Desejado de Todas as Nações, Ellen White diz: "Deus toma os homens tais quais são, e educa-os para Seu serviço [...]. O caráter fraco e vacilante muda-se em outro forte e firme”[4]Liderança Confiável               Quando os líderes servem às pessoas, é importante construir a confiança, tanto pessoal quanto organizacional. A confiança é vital na liderança, uma virtude que os líderes não devem considerar garantida.               Caráter gera confiança. As pessoas confiam nos líderes quando eles se comportam ética e honestamente, tanto em assuntos pessoais quanto organizacionais. Stephen Covey diz que "o caráter inclui a integridade, a motivação e a intenção dos líderes com as pessoas”[5]. Ellen White expressa a importância do caráter quando diz: "Energia, integridade moral e forte propósito pelo que é reto são qualidades que não podem ser supridas com qualquer quantia de ouro. Homens que possuem estas qualidades terão influência em toda parte”[6].               No século XXI, a confiança na liderança é conquistada não só pelo caráter e pelas boas intenções, mas também pelos resultados. Os líderes devem ter uma combinação de bons traços de caráter e competência. Stephen Covey diz que "a competência inclui a capacidade, funções, habilidades, resultados e histórico dos líderes”[7]. A igreja precisa de líderes capazes de demonstrar competência medida pelos resultados. O líder da igreja ganhará a confiança dos membros por uma combinação de traços positivos de caráter e capacidade demonstrada de cumprir os objetivos de curto e longo prazo da igreja. Uma situação de desconfiança               Há uma estreita relação entre liderança e mordomia. Deixe-me dar-lhe um exemplo. Certa vez, tive um ancião de uma igreja em particular que não era confiável, desagregadora e muito antagônica por natureza.               No início, os membros da igreja não viam sua verdadeira natureza. Com o passar do tempo, alguns membros começaram a duvidar de sua aptidão para o cargo da igreja. Eles começaram a expressar suas preocupações sobre o impacto negativo de seu caráter na igreja local. Tentei evitar o conflito, pensando que suas preocupações acabariam por desaparecer ou se resolveriam sozinhas. Eventualmente, os membros começaram a reter seus dízimos e ofertas como uma forma de protesto, e deixaram de participar da igreja local. Alguns até perderam a confiança em mim como seu pastor.               É importante notarmos que a falta de confiança não é uma justificativa para a infidelidade e a retirada do serviço: "Alguns se têm sentido insatisfeitos, e afirmado: 'Não devolverei mais o dízimo; pois não confio na maneira como as coisas estão sendo dirigidas na sede da obra.' Roubará, porém, a Deus, por pensar que a direção da obra não é correta? Apresente sua queixa franca e abertamente, no devido espírito, e às pessoas competentes. Solicite em suas petições que as coisas sejam corrigidas e colocadas em ordem; mas não se retire da obra de Deus, nem se demonstre infiel porque outros não estejam fazendo o que é correto”[8].               No entanto, precisamos reconhecer que a desconfiança afeta a parceria dos membros com Deus e a igreja. Como líderes, estas palavras de Jesus requerem nossa atenção: “Se alguém fizer tropeçar um destes pequeninos que crêem em mim, seria melhor que fosse lançado no mar com uma grande pedra amarrada no pescoço” (Marcos 9:42).               Foi preciso um ano inteiro para resolver o assunto e restabelecer a confiança dos membros. Foi necessária uma nova equipe de liderança inteira para reconstruir a confiança entre os líderes e os membros da igreja local. Tivemos que ser especialmente cuidadosos ao lidar com os assuntos da igreja, especialmente no que diz respeito às finanças.               Assim que os membros viram como demonstramos liderança e confiança, eles novamente começaram a dar tempo e recursos para a obra de Deus. Os membros doaram suas finanças, casas e carros para os projetos de evangelismo da igreja por generosidade voluntária. As reuniões de negócios da igreja foram mais uma vez pacíficas e harmoniosas, com os membros falando respeitosa e abertamente sobre qualquer assunto. Conclusão               A igreja hoje precisa de líderes que compreendam a importância da liderança, exemplifiquem os traços da liderança servidora e entendam a importância do caráter. O modelo de liderança servidora de Jesus é mais crítico do que nunca no mundo de hoje. Marcos 10:43, 44 nos lembra de servir abnegadamente, colocando os outros em primeiro lugar. O líder deve inspirar os outros através de seu exemplo, trazendo o melhor da organização e dos membros individuais que a constituem, e eles devem sempre se esforçar para ser melhores em todos os sentidos.

 

 

 

 

 

 

 

[1] Henry e Richard Blackaby, Spiritual Leadership: Moving people to God's agenda (Nashville, Tenn.: B & H Publishing Group, 2011), p. 127.

[2] Ellen G. White, O Desejado de Todas as Nações (Tatuí, São Paulo: Casa Publicadora Brasileira, 1997), p. 643.

[3] https://www.biblestudytools.com/lexicons/greek/nas/doulos.html

[4] White, O Desejado de Todas as Nações, p. 251.

[5] S. M. R. Covey & R. R. Merrill, The Speed of Trust: The One Thing That Changes Everything (New York: Simon & Schuster, 2006), p. 23.

[6] Ellen G. White, Testemunhos Para a Igreja, v. 3 (Tatuí, São Paulo: Casa Publicadora Brasileira, 2002), p. 23.

[7] S. M. R. Covey & R. R. Merrill, The Speed of Trust, p. 23.

[8] Ellen G. White, Testemunhos Para a Igreja, v. 9 (Tatuí, São Paulo, Casa Publicadora Brasileira, 1909), p. 249.

 

Tshepo Aphane

Tshepo Aphane é um ministro ordenado da Igreja Adventista do Sétimo Dia, e atualmente está servindo como Diretor de Mordomia da Associação Trans-Orange, Joanesburgo, África do Sul. Ele possui um Mestrado em Desenvolvimento Internacional pela Universidade Andrews.